Aventuras e desventuras dos professores, formadores, contratados ou a recibos-verdes que leccionam na Escola Pública, Profissionais, Colégios, IEFP's, Casa Pia, TEIP's em cursos de UFCD's, EFA's, EFJ's, CNO's, AEC's PIEF's, ...

Aceitam-se contributos: eanossaescolinha@gmail.com



quarta-feira, 29 de junho de 2011

A VERDADE/HONESTIDADE POLÍTICA É ISTO?

ULTIMA HORA (30/6 ÁS 15:27) - Afinal já marcaram mais um golo

Depois de festejar a derrota, não do PS, mas de Sócrates estava mesmo confiante que a alternância conseguisse moralizar a política portuguesa. Estava mesmo confiante que, mais do que um governo de direita, o que seria apresentado era um governo honesto, verdadeiro, algo que foi repetidamente afirmado em campanha eleitoral.

Apenas para abordar as questões de educação, as coisas não estão a iniciar nada bem. Se isto fosse um jogo futebol, diria mesmo que ao intervalo o resultado estava em:

Verdade/ Honestidade   0 – 4   Governo PSD/CDS

1º Golo - A avaliação contínua.

Um monumental frango. Então, mas não foi este governo (PSD e CDS em conjunto) que no dia 25 de Março votou a favor da SUSPENSÃO da avaliação. O documento entregue suspendia a avaliação, revogava o modelo de avaliação dos professores e propunha que se devia iniciar negociações para que um novo processo de avaliação entrasse em vigor já neste próximo ano lectivo. Em pleno calor da campanha eleitoral Pedro Passos Coelho afirmou que vai “acabar com este sistema de avaliação para acabar com a burocracia nas escolas. É muito aborrecida esta ideia de que quer a partir do Ministério da Educação quer das Direcções Regionais todos os dias se despeje papelada em cima das escolas".
 2º Golo - Manter os mega-agrupamento.

Será que foi auto-golo? Em Maio deste ano, Pedro Passos Coelho afirmou que “é preciso pôr fim a esta ideia dos mega-agrupamentos que juntam sete ou oito mil alunos que são uma coisa absurda". No programa eleitoral do CDS está bem claro que “É preciso que os agrupamentos, pela febre de os constituir em mega-agrupamentos, não se convertam em fontes de mega-problemas, alheios à necessidade de qualificação dos alunos.”

3º Golo - Criação da prova de acesso à carreira de professor.

Este deve ter sido um daqueles golos marcados em fora de jogo. Não me lembro de ver em qualquer programa eleitoral do PSD ou do CDS esta medida, ou será que estou enganado? Já lá vão uns bons anos mas parece-me que em tempos passados, o PSD criticou a implementação desta medida pelo PS admitindo apenas a introdução de uma prova de conhecimentos a todos os professores que acediam ao 7º escalão. Outros tempos, outras obrigações!
ULTIMA HORA: 4º Golo - Corte de 50% no 13º Mês.

Em 1 de Abril (será que era brincadeira do dia da mentira), Pedro Passos Coelho em resposta a dois estudantes, numa visita à Escola Secundária de Forte da Casa, afirmou "É um disparate dizer que o PSD vai acabar com o subsídio de férias". Pois claro!!! É que para o subsidio de férias já estavamos muito em cima, mas não perderam tempo para o subsídio de Natal. Qual é a desculpa agora... ah já sei:

"As contas estão muito piores do que pensávamos"
(frase retirada do livro "Politica feita por idiotas")


Verdade política não é meus amigos?

Se fosse arbitro, e mesmo sendo o 1º jogo da época este governo já tinha acumulado vários cartões amarelos.

.

MAIS DO MESMO

E cá vamos nós. Mais uma vez, as medidas-chave do ministério passam por exames para acesso à profissão (porque se assume que a formação que os professores têm - e que é ministrada por entidades tuteladas pelo próprio ministério - é deficiente, apesar do PSD ter sido contra esta medida no tempo da MLR), ADD reformulada mas sem mexer para já na actual (porque é borucrática, porque é injusta, mas devem ter medo que sem o espectro de uma avaliação os professores deixem de trabalhar...), e "reforço" da autoridade do professor (ao mesmo tempo que se pretende incrementar o poder dos municípios na escola - e eu, que já trabalhei numa escola de gestão camarária, sei que esse é o primeiro passo para uma escola passar a trabalhar numa lógica de lucro à merceeiro).

Entretanto, os professores do quadro continuam sem progredir, os professores contratados continuam sem ingressar nos quadros e a sujeitar-se todos os anos a não saber se têm trabalho em Setembro, concorrendo às cegas, sujeitando-se a dar qualquer horário (diurno ou nocturno), qualquer nível de ensino, qualquer tipo de currículo alternativo para qualquer tipo de público-alvo. E sem direito a compensação quando o contrato acaba.

Boas lideranças são assim. Geram motivação e confiança no futuro.

hgh

EVIDÊNCIAS




Colegas, ajudem-me por favor. Será uma evidência:

  •   Comprar relógios falsificados aos ciganos dos cursos EFA?
É que estou a ajudar a comunidade cigana, a integrar-me e a perceber as suas tradições.


  • Deixar os putos telefonarem e enviarem sms's plena sala de aula?
Em 1º estou a possibilitar o acesso à tecnologia. Em 2º estão a ganhar destreza nos músculos das mãos evitando assim futuras tendinites. Em 3º estou a promover o intercâmbio entre alunos de várias escolas.


  • Fazer uma visita de estudo ao Salão Erótico de Lisboa?
Temos a educação sexual bem evidenciada nesta actividade. Em alguns casos os alunos começam a entender a funcionalidade dos objectos que vêem lá em casa.


  • Conseguir 100% sucesso em todas as turmas que lecciono, mesmo que metade não tenha nota para passar?

Evitando a tristeza de reprovar de ano, poupo ao estado milhares de euros na área da saúde, evitando assim futuras depressões.

  • Ensinar numa aula prática o mecanismo de segurança dos multibancos?
Conseguia motivação, entusiasmo e concretização técnica na ordem dos 100%.


  • “Flirtar” a minha avaliadora?
Mostrava as minhas capacidades de persuasão e de comunicação. Aumentava o ritmo cardíaco de alguns colegas que já parecem ligados à máquina. Contribuía para o aumento da felicidade no meu agrupamento.

.

terça-feira, 28 de junho de 2011

RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO

Já que andamos numa de partilha de relatórios de auto-avaliação, e fazendo concorrência ao blog ProfLusos, cá vai a minha contribuição:

Relativamente à minha prestação este ano lectivo, devo referir que desenvolvi aspectos pouco trabalhados até então na minha prática enquanto docente. Estudei e apliquei novas estratégias de interacção com os meus discentes e arrisco afirmar ter desenvolvido novas competências que serão sempre uma mais valia para a minha pessoa enquanto professora e enquanto cidadã. Evidências:

  • lido bem com o facto dos miúdos pretos baralharem o discurso e que a meio de uma frase já me estejam a tratar por tu;
  • aceito dizer 6 vezes numa aula de 90 minutos ao pintas lá da turma para tirar o capuz da cabeça (e ouvir outras tantas vezes dizer que o menino está com frio);
  • consigo manter uma conversa com uma turma que me responde com monossílabos tipo népia, yá, uma beca...
  • aguento relativamente bem o mau cheiro do bairro, assim como toda aquela poluição visual, sempre que entro ou saio da escola;
  • consigo manter a calma quando, na secretaria, uma cigana rodeada de crianças ranhosas e sujas, leva de graça Magalhães como se fossem bolinhos quentes;
  • tenho veia de treinador de futebol e apelo à motivação, afiançando que exercitaremos e treinaremos e que, no teste nacional, o bairro não envergonhará ninguém. Mesmo sabendo que é mentira;
  • tenho auto-controlo suficiente para levar regularmente o portátil às costas mesmo tendo de sair da escola já de noite e temendo ser assaltada;
  • consigo superar a frustração que é organizar para todas as aulas um momento experimental, ter a turma a delirar durante 30 minutos e depois perceber que ninguém entendeu nada do que observou.


Poderá precisar de alguns ajustes e, no caso de serem homens, será necessário passar o discurso para o masculino. Não dá ainda 6 páginas, mas já não falta tudo.


lklk

PERDER A INOCÊNCIA OU A PACIÊNCIA?

Um comentário que vira post, da autoria de um anónimo. E cujo conteúdo, é, infelizmente, uma realidade no dia-a-dia de muitos professores.

Perder a inocência também é:
“Obrigar” os colegas a passarem alunos ao abrigo de determinados artigos.

Deixar as “maçãs podres” a estagiarem na própria escola para não as mostrar à sociedade.

Ser obrigado a passar alunos porque os financiamentos das escolas profissionais assim o ditam, ou então depois para o ano não têm trabalho.

Esquecermo-nos que somos professores e passarmos a gestores de distribuição/logistica: Não interessa como mas os produtos têm todos de sair para a cadeia de distribuição.

É pena que todos os que sistematicamente criticam o papel dos professores nas escolas não saibam como as mesmas funcionam, ou que pelo menos não se esforcem para conhecer o mecanismo onde os seus filhos estão integrados.

É pena ouvir e ver uma aluna afirmar que se um professor não tem ”mão” numa turma que não vá para professor (declarações sobre um professor que agrediu 2 alunos e uma funcionária). O que esta aluna não sabe, porque provavelmente ninguém a informou, é que os professores não são pagos para controlarem sistematicamente alunos, mas sim para qualificarem alunos. O estado a que a educação chegou levou a que as prioridades infelizmente mudassem porque os pais não fazem o seu papel e porque os antigos ME “educaram” aos alunos e pais que basta inscreverem-se numa escola para terem sucesso.

Faltam? Não há problema porque os professores depois fazem planos de recuperação.

Chumbam aos testes? Não há problema porque os professores depois repetem esses testes. 


São mal-educados? Não há problema porque dificilmente têm participação disciplinar, porque há escolas cujas maiores preocupações são a sua própria avaliação, ou seja, as quotas.

Chumbam o ano? Não se preocupem porque depois há sempre um artigo que permite o aluno passar, independentemente das negativas que possuem.

Querem desistir da escola? Não há necessidade de preocupação, porque também há sempre mais um programa escolar cuja duração do ciclo de estudos é cada vez mais pequena (por exemplo: em apenas 1 ano obter o que outros o fazem em 3 anos) e cujo trabalho a realizar é quase inexistente (é lindo quando os formandos de cursos EFA – Nível secundário enchem o peito logo no inicio do curso a informar os formadores que não podem realizar testes de avaliação, nem marcar trabalhos para realizarem em casa).

Eu já não sei se será perder a inocência ou a paciência?

popo

segunda-feira, 27 de junho de 2011

PERDER A INOCÊNCIA

Perder a inocência é ficar a saber que se passou toda uma turma do 2º ciclo com o principal argumento de "para o ano não temos de os aturar".

lkk

quinta-feira, 23 de junho de 2011

EU ACHO BEM

Eu acho bem que não se pague a (devida) compensação aos professores com contrato não renovado porque estamos em crise e contenção é a palavra de ordem.

Comissão de protecção de dados. Presidente recebeu 59 mil euros a mais

Exército aumentou despesa em 8,4 milhões com regra ilegal

sd

 

É O RIGOR, É O RIGOR

Num dado momento da minha vida profissional, tive o desprazer de trabalhar para pessoas que ora aplicavam metade de uma lei (insistindo em aplicar certos artigos e recusando a aplicação de outros) ora não hesitavam em  adoptar no funcionamento da instituição portarias ainda não publicadas. Conseguiam ainda fazer páginas e páginas de texto incompreensível num exercício de interpretação criativa de leis e decretos que não lembraria a mais ninguém. Se a memória não me falha, acho que quanto a insistir na aplicabilidade de leis revogadas, não chegaram a ter a lata de o fazer...

Ministério da Educação usou lei obsoleta para poupar milhões

 

E para a colega que na sala de professores não hesitou em suspirar "medidas do actual governo" e que, quando chamada à razão (o actual governo não tinha ainda sido indigitado) troca o suspiro para "a troika obrigou", só um pequeno esclarecimento: se não receber a compensação quando o seu contrato não for renovado, é ao rigoroso ministério da educação da Alçada, sob o governo do honesto Sócrates, que tem de agradecer.

kjkj

GOSTAR DOS PROBREZINHOS É...

Gostar dos pobrezinhos é visitar uma escola TEIP integrando uma comitiva de engravatados tendo o cuidado de estacionar o Volvo no recinto escolar (no recreio do miúdos - a escola não tem parque de estacionamento...) devidamente vigiado pelo motorista particular...

kjkj

quarta-feira, 22 de junho de 2011

A/C DR. NUNO CRATO

E quando um formando das NO, regime EFA para obtenção do 9º ano, fica satisfeito por não validar porque assim sempre pode continuar para o ano "na escola a receber o RSI"? E para quem a perspectiva de seguir um EFA para obtenção do 12º ano não é aceitável porque teria de se deslocar para fora do bairro para "ter aulas"*?...

*Porque pudesse ele continuar a sua vidinha de fingir que estuda enquanto recebe o RSI e com os professores a continuar a deslocar-se da escola para lhes dar aulinhas ao lado da porta de casa, até o podiam por num curso de costura, que lhe era indiferente... 

jkj

segunda-feira, 20 de junho de 2011

ESTA TAMBÉM SERVE

Sempre disse que só ficarei satisfeita quando vir o Sócrates a braços com a justiça. Mas enquanto não acontece, esta também serve para me ir animando:


Em causa está uma adjudicação directa por parte do Ministério da Educação (ME), no valor de 266 mil euros, para a execução de uma série de trabalhos a partir de um levantamento exaustivo da legislação sobre educação. A verba foi paga, mas o contrato acabou por ser cancelado depois de o PÚBLICO ter revelado que a maior parte do trabalho nunca chegou a ser efectuada.

O Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) investigou este caso concluindo que “tais adjudicações, de acordo com os indícios, não tinham fundamento, traduzindo-se num meio ilícito de beneficiar patrimonialmente o arguido João Pedroso com prejuízo para o erário público” e que os arguidos “estavam cientes” desse facto.

lklk

sexta-feira, 17 de junho de 2011

PARA MEMÓRIA FUTURA

COM ALGUMA EXPECTATIVA #2

Álvaro Santos Pereira é o novo ministro da Economia. E é também um blogger. E escreve posts a denunciar negócios pouco claros entre estado e entidades particulares.

Mais uma vez, haja esperança!

lklk

COM ALGUMA EXPECTATIVA

Nuno Crato é o novo Ministro da Educação. Tive o prazer de ter estado presente numa palestra onde Nuno Crato falou sobre educação. Em termos de discurso, é uma virar de 180º relativamente às duas antecessoras. A favor do rigor e da exigência nas aprendizagens. Muito crítico relativamente à conversa de didáctica para totós que se instalou nas nossas escolas nos últimos anos.

Com alguma expectativa com o que se passará no teatro educativo. Haja esperança!

kjk

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Será este o dia 0 no novo governo?

São 11:20 e ao “passar” pela Sic Noticias fui informado que PSD e CDS iriam assinar o acordo de governação. Nada de mais, pensava eu, mas quase, quase quando estava mesmo a mudar de canal eis que entra o directo que prendeu toda a minha atenção.

De facto as diferenças para a máquina do PS são enormes e até mesmo dramáticas. A enorme teatralização de Sócrates em todos os seus actos políticos era já uma marca registada que pessoalmente odiava, mas o que vi hoje não foi menos triste.

PSD e CDS “chamaram” os jornalistas para os verem a assinar, às 11:00 em ponto, o acordo de governo. Depois dos partidos terem chegado atrasados, o que se viu foi uma enorme confusão numa sala minúscula com dezenas de jornalistas, fotógrafos e operadores de câmara em cima uns dos outros.

Apenas para ver os 4+4 elementos de ambos os partidos, permitiram que os fotógrafos entrassem na sala, e depois rua com eles. Entraram de seguida os operadores de câmara, e tiveram também de sair. Isto numa sistemática operação de abre a porta, fecha a porta, abre novamente, etc… Ridículo de ver.

Lindo foi mesmo ver nos longos minutos de espera, os jornalistas a rir uns com os outros e a perguntarem afinal o que é isto? “Então mas não era suposto termos vindo aqui só para filmar a assinatura do acordo?”, afirmava um dos jornalistas.

Já são 11:45. A Sic Noticias, já terminou o directo porque não há nada para informar. Dizem os jornalistas que têm informações que ambos os partidos estão a conversar sobre alguns pontos do acordo. O quê?????

Bem, estamos mesmo a começar bem.


  • Um acordo histórico assinado num ambiente e numa organização ridícula.
  • Um atraso de uma hora e meia.
  • Conversações no mesmo momento em que deviam assinar o acordo?

Estou mesmo à espera das declarações do PS. Devem estar encantados com tudo isto.

Eu, por cá vou aguardando e ver no que tudo isto vai dar, será que o PSD tem mesmo gosto pela auto-destruição. Pelo menos parece.

Actualização:

12:20 - A assinatura do acordo, teve então o seu momento
12:24 - Os funcionários do hotel colocam fitas de segurança
12:25 - Os fotógrafos começam a reclamar
12:25 - Retira-se a barreira de segurança
12:27 - Iniciou-se a conferência de impressa
12:28 - Desliguei a TV e fui trabalhar
 



quarta-feira, 15 de junho de 2011

Portugal e os países desenvolvidos

Em Portugal

Futuros magistrados copiam teste

Vários futuro magistrados foram apanhos a copiar num teste do curso de auditores de Justiça do Centro de Estudos Judiciários (CEJ). O teste foi anulado, mas a direcção decidiu atribuir nota positiva (10) a todos os envolvidos.

Nos países desenvolvidos

Retirado título a deputada alemã que plagiou doutoramento

A universidade de Heidelberg decidiu retirar o título de doutora à deputada liberal ao Parlamento Europeu Silvana Koch-Mehrin, por considerar que a sua dissertação "consiste em plágio, em partes substanciais".

terça-feira, 7 de junho de 2011

MENOMALE CHE SILVIO C'È

A sério, pior que ter aturado o Sócrates durante 6 anos, era estar a aturar um Berlusconi no governo. Acho que ponderava mesmo mudar de nacionalidade... 

segunda-feira, 6 de junho de 2011

AH! SÓ MAIS UMA COISINHA, FERNANDA...

E já agora, Fernanda, as pessoas com quem amavelmente se preocupa, não fizeram raison d'être de derrubar só o Sócrates. A ideia foi mesmo derrubar uma certa elite política que chegou ao poder através de uma história de vida pouco clara, que insistia em governar de forma desonesta, mais preocupada com a forma que com o conteúdo, com tiques de ditador sul americano, fazendo da comunicação social o seu bloguesinho pessoal onde podiam contar sempre a sua versão da história e ler os números à sua maneira mesmo que a realidade ao lado gritasse que esses números eram manipulados e que os estudos eram encomendados.

Por exemplo, faz-me muito feliz saber que, apesar de ter passado os últimos anos a lamber botas e a dizer alarvidades baseado em análises estatísticas distorcidas, não tenha conseguido o lugarzinho de deputado o senhor Valter Lemos.

Vê? Não é só com o Sócrates...

lklk

OBRIGADA PELA PREOCUPAÇÃO, FERNANDA!

durante anos, sobretudo nos últimos 3, houve quem fizesse raison d'être de derrubar sócrates e de o odiar.
que sucederá agora a essas pessoas, sendo-lhes retirado o cerne da sua vida cívica, que era derrubar este homem, condená-lo ao opróbrio, bani-lo, a ele e a todos os que considerem estar-lhe associados? que farão de si?
Fernanda Câncio, aqui, no Jugular

Obrigada, cara Fernanda, pela preocupação. Mas, acredite, cá nos safaremos. 

HGHG

sábado, 4 de junho de 2011

HOJE É DIA DE REFLEXÃO

E para reflexão proponho um texto de Henrique Raposo:


hgh

POBRE SOUSA

Eu sei que é dia de reflexão, mas esta não pode ser deixada em branco. 

Ontem, Sócrates, que foi levado ao colinho pela comunicação social nos últimos seis anos e que se dá ao luxo de fazer comunicações ao país no dia que entende, à hora que entende, com o atraso que entende para declarar quais os sacrifícios que os protugueses NÃO vão ter de fazer com a intervenção do FMI, lamentou "os poucos segundos de televisão a que um pobre político tem direito". Assim, com a palavra pobre e tudo.

A TSF transmitiu o lamento, não podendo deixar de reparar que Sócrates foi o único dos principais líderes partidários que recusou responder ao conjunto de perguntas da TSF ao longo das últimas semanas e que recusou também dar uma entrevista à rádio pública (aqui, ao minuto 2:25).

lk

quinta-feira, 2 de junho de 2011

AVALIAR OS OUTROS É MESMO GIRO

Um dia destes, veio na mochila do meu filho que frequenta o ensino pré-escolar um inquérito para EU preencher quanto à MINHA satisfação relativamente ao refeitório da escola. Comecei por achar que me estavam a convidar para almoçar, mas depois vi que não, que era só para eu por umas cruzinhas. 

Eu gosto sempre de colaborar com a escola dos meus filhos e por isso, peguei com prontidão numa caneta, mas depois...depois indaguei-me se serei de facto uma mãe alheada porque eu não consigo saber de todo:

  • Se os funcionários realizam eficazmente e com rigor as tarefas que "lhe estão cometidas" (?);
  • Se os funcionários realizam, em tempo, o seu trabalho;
  • Se os funcionários demonstram autonomia.

E a machadada final sobre a minha auto-estima enquanto mãe atenta: EU NÃO FAÇO IDEIA QUAL É A COZINHEIRA QUE MAIS ME AGRADA NA ESCOLA DOS  MEUS FILHOS!!!!

Atarantada, fui falar com a educadora do meu filho, pessoa que muito estimo. Fui então informada que o questionário que tantas dúvidas me suscitou, é para ser também preenchido por cada um dos meninos (sob orientação da educadora, claro - eles não sabem ler...).

De atarantada, passei a divertida (o meu humor é muito volátil, eu sei). É que imagino mesmo a cena como se fosse para os apanhados:

A educadora sentada a uma mesinha com aquelas cadeirinhas pequeninas, os meninos a olhar para ela de olhos esbugalhados enquanto ouvem frases como "então diz lá, querido, entre Insuf, Suf ou MBom, como classificas o refeitório, em termos de trabalho realizado pelas cozinheiras?"

Também gosto da ideia de perguntar aos meninos quais os funcionários que mais lhe agradam. Aliás, acho muito ético por a avaliação e o futuro profissional de adultos nas mãos de crianças de 5 anos.

Será que as direcções de algumas escolas não têm a noção do ridículo?

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Noticia RTP

Notícia do site da RTP:


"Cerca de 30% dos portugueses sofrem de perturbações mentais".


Sondagem da semana passada divulgada na comunicação social:

"Sócrates recolhe 30% da preferência de voto dos Portugueses"



Não comento...

OH SENHORES DO MINISTÉRIO!

Oh senhores do ministério, só um desabafo cá da minha parte: tanta coisa com metas de sucesso, tanta pressão para Os Resultados, e depois...

...depois quando os meninos estão em situação de abandono escolar,  não aparecendo na escola desde meados do 1º período, não podem ser excluídos porque há sempre a hipótese de se lembrarem de vir fazer "a recuperação das faltas injustificadas" (não sei porque é que a troyka não obriga a instituir essa possibilidade, a do trabalhador poder recuperar faltas injustificadas depois de meses sem aparecer...).

Ora numa turma de 27 alunos em que há 8 casos desses,as pautas não ficam muito bonitas, com tantos níveis 1 por aquelas linhas fora. Metas de sucesso...por um canudo. Avaliação externa da escola...sofrível.

O que é que os senhores do ministério propõem que as escolas façam para que as vossas estatísticas não vos envergonhem na Europa nem prejudiquem a avaliação da escola e, consequentemente, a dos professores? Não querem que a gente dê nível 3 a alunos de quem já nem nos lembramos...

...não querem, pois não?...

...hum?...

çlçl