Aventuras e desventuras dos professores, formadores, contratados ou a recibos-verdes que leccionam na Escola Pública, Profissionais, Colégios, IEFP's, Casa Pia, TEIP's em cursos de UFCD's, EFA's, EFJ's, CNO's, AEC's PIEF's, ...

Aceitam-se contributos: eanossaescolinha@gmail.com



segunda-feira, 2 de maio de 2011

O NOSSO FALHANÇO

Domingo de chuva. Conversa entre casais com filhos em idade escolar e eu a única professora. Muitas críticas à atitude de alguns professores, à forma como os horários dos miúdos são realizados. Algumas delas com muita razão de ser. E depois a indisciplina. Que quando um miúdo fazia isto era incompreensível que a escola não tomasse esta e aquela atitude. Que quando um aluno não quer saber da escola, devia ser convidado a sair. E aí começo eu com o discurso que desde a MLR que isso não é possível. Mas a conversa continua: que quando um aluno agride um funcionário ou professor devia ser expulso...e então percebi que estava tudo a leste. Foi preciso fazer um ponto à situação:

- Oh J., vamos lá a ver se eu me faço entender: desde a MLR que não há mesmo expulsões do ensino, percebe? Saiu da lei. Não é possível. Não existe mesmo!

E é com espanto que percebo que estou a dar uma novidade aos restantes.

Não há dúvida que houve um falhanço em toda a linha no que à mensagem que conseguimos passar para o resto da sociedade diz respeito. Niguém sabe de facto o que é que se passa com a legislação escolar e está toda a gente convencida que é a avaliação de professores a grande e única fonte de atrito nas escolas. Neste sentido, nós, professores, profissionais da transmissão de informação, falhámos. É um facto.

hgh

1 comentário:

Pica-Mula disse...

Os professores estão mesmo a dormir