Aventuras e desventuras dos professores, formadores, contratados ou a recibos-verdes que leccionam na Escola Pública, Profissionais, Colégios, IEFP's, Casa Pia, TEIP's em cursos de UFCD's, EFA's, EFJ's, CNO's, AEC's PIEF's, ...

Aceitam-se contributos: eanossaescolinha@gmail.com



segunda-feira, 2 de maio de 2011

EU NÃO VOTO SÓCRATES

 
"Sábio é aquele que conhece os limites da própria ignorância."
Sócrates (mas o outro: o sábio, o filósofo)

(*) Esta imagem pode ser copiada


As inaugurações, na área da educação sucedem-se umas atrás das outras. Não há discurso onde a tema “educação” não seja abordado. O homem está mesmo desesperado por convencer os professores.

Foi hoje, 8 de Maio, um domingo.
Foi no dia 25 de Abril, um feriado.
Foi no dia 1 de Maio, outro feriado.

“Um dia disseram-me que iam despedir os professores provisórios.
Não quis saber, não era comigo.

Mais tarde disseram-me que iam pôr 5000 professores de EVT no desemprego.
Não quis saber, não era comigo.

Mais tarde disseram-me que iam pôr não sei quantos funcionários das escolas no desemprego. ~
Não quis saber, não era comigo.

Depois soube que iam despedir os professores de EMRC.
Não quis saber, não era comigo.

Depois soube que iam despedir todos os professores das artes.
Não quis saber, não era comigo.

De seguida foram os professores de educação musical e educação física despedidos.
Não quis saber, não era comigo.

Um dia disseram-me que iam acabar com as aulas de História e reduzir o Português, indicando-me a porta de saída. Senti-me mesmo mal e resolvi pedir ajuda aos colegas. Mas não tinha ninguém a quem pedir ajuda e lutar ao meu lado.

Tinham sido despedidos debaixo da minha indiferença.

Parece-me que a situação da nossa classe está bem pior do que estava no tempo da D. Lurdes, anestesiados com as falinhas mansas da senhora que está como ministra apenas a colher material para escrever Uma Aventura no Ministério da Educação.

Não sei o que vamos fazer, mas temos de fazer algo.

Temos que começar a conversar e a lutar.“
(a circular por e-mail)
Este governo está mesmo desesperado por convencer os professores. Somos mais de 100 mil, mais os maridos/mulheres e respectivas famílias. Contas feitas por alto, pelo menos meio milhão de votos.

Votem no que quiserem, mas não me venham com aquela que a oposição ainda pode ser pior!

Se o PS ganhar, com ou sem maioria, mais ninguém cala o Sócrates.

E meus amigos professores preparem-se que o homem ainda não se esqueceu dos 100 mil na rua.

5 comentários:

Pica-Mula disse...

Vota em tudo, menos nesse Sr.!!!

Anónimo disse...

Mas vota em qualquer coisa! Senão só lhe damos força!

Anónimo disse...

É pena que na bandeira o NÃO seja pouco visível. Até parece"Eu... voto Sócrates"

Prof.º Macambúzio disse...

O NÃO está pouco visível?

De facto pode acontecer que em computadores com menor qualidade de imagem esta informação, que está a vermelho, apareça mais escura e que assim não esteja completamente visivél.

Vamos já alterar para não passar essa ideia.

Obrigado pela sugestão.

Anónimo disse...

Concordo com todos os comentários anteriores em não votar Sócrates. Discordo apenas num pormenor, votar em qualquer um. Na verdade é isso que dá vontade, mas votar em qualquer um é arriscado, porque isso pode dar a vitória ao dito cujo. Por isso, eu apesar de não concordar com o mesmo, voto PSD, porque acho que é a única maneira de mandar o Sócrates para as profundezas do inferno.