Aventuras e desventuras dos professores, formadores, contratados ou a recibos-verdes que leccionam na Escola Pública, Profissionais, Colégios, IEFP's, Casa Pia, TEIP's em cursos de UFCD's, EFA's, EFJ's, CNO's, AEC's PIEF's, ...

Aceitam-se contributos: eanossaescolinha@gmail.com



quarta-feira, 27 de abril de 2011

E QUANDO...

E quando, numa escolinha profissional privada de gestão camarária...

a um professor, sujeito como os restantes dessa escolinha a picar o ponto 35 horas por semana, é descontado meio dia porque se esqueceu de picar o cartão, mesmo que os sumários provem que o professor esteve na escola e a dar aulas, isso é...

é a confirmação que o cartão do partido não devia ser nunca a habilitação suficiente para a alguém ser oferecida a direcção de uma escola.

kjk

6 comentários:

Anónimo disse...

E pimba...

Quem muito se abaixa o cu aparece...

Ah e tal eu quero picar o cartão, porque esse é o desejo do meu bom director.

Ah e tal os colegas que se lixem porque eu gosto mesmo é de fazer a vontade à direcção.

Aguenta... Dói, não é: coloquem um pouco de vaselina para aguentarem.

Hortelã-pimenta disse...

Para colegas demasiado adaptaveis, sempre disponíveis e sorridentes perante uma direcção tão (in)justa, (anti)democrática e (pouco)exemplar... resta dizer... cada um tem o que merece!!!!!!!!!!!
De que valem as horas a mais no cartão? para a direcção ver? Valem um dia de desconto no ordenado. Ah! Ah! Ah!

Anónimo disse...

Porém podem sempre compensar no stand da escola durante a feira de Santiago ou mesmo tomar um café no Bar da escola à mesma mesa como se nada se passasse ou ainda aspirar o Audi A4 da Directora Pedagógica! É a vidinha, como dizia um professor magnífico dessa escolinha de segunda classe!

OlhóTaxo disse...

Ao 1º anónimo: não conheço ninguém na escola referida que tenha tido a opção de não picar o cartão, quanto mais ter pedido expressamente para o fazer...

Aos restantes: na minha opinião, alimentar eventuais atritos numa situação destas, é branquear a a acção da direcção. O post é sobre uma situação caricata em termos de gestão de recursos humanos. Desviarmo-nos daqui é permitir que se cumpra a máxima "dividir para reinar"...

Prof.º Macambúzio disse...

Uma coisa é discordar da aplicação de medidas, outra coisa é nem pensar em o fazer. Antes das medidas serem aplicadas já há "colegas" que concordaram com essas posições.

São os mesmos que depois fingem picar o cartão mesmo depois de já não o terem de fazer?

As situações caricatas, apenas existem porque ou são realmente excepcionais ou porque ninguem as contesta, o que é o caso desta escola (e de tantas outras).

A ideia mesmo não é branquear, mas enfatizar o ambiente que se vive em muitas escolas, onde muito "colegas" preferem ficar no conforto das suas não-posições, apenas para garantirem o seu lugar ou ficarem nas graças do senhor.

É sobretudo, devido a estes "colegas" que estas situações ocorrem, porque como foi escrito em cima: "Quem muito se abaixa o cu aparece".

Pica-Mula disse...

Cheira-me a processo disciplinar É desta que não se escapa? E quando esse Sr. for a tribunal depor, vai dizer que foi obrigado a fazer greve?