Aventuras e desventuras dos professores, formadores, contratados ou a recibos-verdes que leccionam na Escola Pública, Profissionais, Colégios, IEFP's, Casa Pia, TEIP's em cursos de UFCD's, EFA's, EFJ's, CNO's, AEC's PIEF's, ...

Aceitam-se contributos: eanossaescolinha@gmail.com



domingo, 4 de setembro de 2011

SOBRE O CONCEITO DE TOLERÂNCIA

Vamos imaginar uma escolinha profissional particular de gestão camarária.

Vamos imaginar que essa escolinha obrigava os seus professores a picar o ponto aplicando um horário fixo de 35h e referindo que os professores tinham 15 minutos de tolerância.

Imaginemos agora que, sem aviso, aos ordenados dos professores eram retirados alguns euros correspondentes a alegados atrasos.

Se imaginarmos ainda que esses professores iam pedir explicações à direcção, a resposta dela seria, no entanto, inimaginável:

- Tolerância de 15 minutos sim, mas tolerância para picar o cartão 15 minutos antes da hora de entrada!

Ah, bom!!!! Ainda bem que avisaram - isso significa exactamente o quê? Que se o professor chegar meia hora antes tem falta?...

É com histórias destas que até me arrepio quando se fala na municipalização das escolas...

kjkj

3 comentários:

Hortelã-pimenta disse...

De facto, o conceito de tolerância aqui descrito não deixa de ser irónico. Então, e esses pseudo-directores nunca se atrasam? É a pergunta que ocorre fazer. E a resposta é simples: "nunca se atrasam porque não picam cartão e também porque raramente estão na escola".

Anónimo disse...

Quem diz a verdade não merece castigo!!

Upa Upa... Qualquer dia fazemos um post do tipo:

"TODA A VERDADE"

David Fulmen disse...

Isso é que é alegria no trabalho! Força!